Esclarecendo a baixaria dos PTralhas na história do sigilo fiscal.

setembro 3, 2010 às 3:49 am | Publicado em Dilma, Eleições 2010 | Deixe um comentário

A face mais dura do aparelhamento do Estado brasileiro por forças políticas está sendo revelada nesse episódio da quebra do sigilo fiscal da filha do candidato do PSDB à Presidência da República. Em um país sério, o secretário da Receita já teria se demitido, envergonhado, ou estaria demitido pelo seu chefe, o ministro da Fazenda Guido Mantega. E alguém acabaria na cadeia.

Ao contrário, o secretário Otacílio Cartaxo tentou até onde pôde minimizar a situação, preferindo despolitizar o caso e desmoralizar sua repartição.

Ao mesmo tempo surgem de vários lados do governo tentativas de contornar o problema, ora atribuindo à própria vítima a culpa da quebra de seu sigilo fiscal, ora sugerindo que uma disputa política dentro do próprio PSDB poderia ter gerado a quebra do sigilo fiscal de Verônica Serra.

Uma análise muito encontradiça entre os políticos governistas é de que as denúncias, tendo aparecido em período eleitoral, perdem muito de sua credibilidade e de seu poder de influenciar o voto do eleitor, ficam com sabor “eleitoreiro”.

Como se essa fosse a questão central. Pensamentos e atos de quem não tem espírito público.

O aparelhamento político da máquina pública não ocasiona apenas a ineficiência dos serviços, o que fica patente em casos como o dos Correios, outrora uma empresa exemplar e que se transformou em um cabide de empregos que gera mais escândalos de corrupção do que seria possível supor.

Dessa vez a revelação de que a Receita Federal transformou-se em um balcão de negcios onde o sigilo fiscal dos cidadãos brasileiros está à venda, seja por motivos meramente pecuniários, seja por razões políticas, coloca em xeque uma instituição que, até bem pouco tempo, era respeitada por sua eficiência e pelo absoluto respeito aos direitos dos cidadãos.

O episódio da quebra do sigilo fiscal do vice-presidente do PSDB Eduardo Jorge Caldas Pereira, de três pessoas ligadas de alguma maneira ao partido ou ao candidato oposicionista e, mais grave, da sua filha, mostra que diversas agências da Receita Federal são utilizadas para práticas criminosas, não apenas a de Mauá, que se transformou em um local onde se compra e se vende o sigilo de qualquer um.

O sigilo de Verônica Serra foi quebrado na agência de Santo André, numa demonstração de que se vulgarizou a privacidade dos contribuintes brasileiros.

Não terá sido coincidência que, além de Verônica, os nomes ligados ao PSDB que tiveram seu sigilo fiscal quebrado — Luiz Carlos Mendonça de Barros, Ricardo Sérgio de Oliveira e Gregório Marin Preciado — sejam personagens de um suposto livro que o jornalista Amaury Ribeiro Junior estaria escrevendo com denúncias sobre o processo de privatizações ocorrido no país durante o governo de Fernando Henrique.

O jornalista fazia parte do grupo de comunicação da campanha de Dilma Rousseff, subordinado a Luiz Lanzetta, e os dois tiveram encontro com um notório araponga tentando contratá-lo para serviços de espionagem que incluíam grampear o próprio candidato tucano à Presidência.

Além da denúncia do araponga, delegado aposentado da Polícia Federal Onésimo de Souza, feita no Congresso, outro ator do submundo petista surgiu nos últimos dias denunciando manobras criminosas nas campanhas eleitorais.

Wagner Cinchetto, conhecido sindicalista, afirmou ao “Estado de S. Paulo” e à revista “Veja” que o núcleo envolvido com a violação de sigilo fiscal de tucanos na ação da Receita é uma extensão do grupo de inteligência criado em 2002 por lideranças do PT.

Ele diz ter certeza de que os mesmos personagens atuam nos dois episódios. Revelou que o escândalo que levou ao fim a candidatura de Roseana Sarney em 2002 foi montado por esse grupo petista para incriminar o então candidato tucano à Presidência, José Serra, que foi considerado responsável pela denúncia pela família Sarney.

Até mesmo um fax teria sido enviado ao Palácio do Planalto para dar a impressão de que a Polícia Federal havia trabalhado sob a orientação do governo de Fernando Henrique.

No caso atual, os diversos órgãos do governo envolvidos na apuração — Polícia Federal, Receita Federal, Ministério da Fazenda — tiveram atuação leniente, e foram os jornais que descobriram rapidamente que a procuração era completamente falsa, desde a assinatura de Verônica Serra até o carimbo do Cartório do 16 Tabelião de Notas de São Paulo, onde aliás Verônica nunca teve firma.

Não basta a Receita dizer que por causa de uma procuração está tudo legal. Não faz sentido que qualquer pessoa que apareça em qualquer agência da Receita Federal com uma procuração possa ter acesso a dados sigilosos.

Aliás, o pedido em si não faz o menor sentido. Então o contribuinte que declara seu imposto de renda não tem uma cópia?

Agora, que quase todo mundo declara pela internet, como não ter uma gravação da declaração?

A funcionária da Receita que achou normal a apresentação da procuração deveria ter desconfiado de alguma coisa, pelo menos do fato de uma pessoa que declara seu imposto de renda na capital de São Paulo mandar um procurador a uma agência de Santo André para ter acesso a uma cópia.

O contador Antônio Carlos Atella Ferreira admitiu que foi ele quem retirou cópias das declarações de IR de Verônica Serra na agência da Receita Federal em Santo André, mas alega que fez isso por encomenda de uma pessoa que “queria prejudicar Serra”.

Mais uma história mal contada. E tudo leva ao que aconteceu em 2006, quando um grupo de petistas ligados diretamente à campanha de Aloizio Mercadante e à direção nacional do PT foi preso em flagrante tentando comprar um dossiê, com uma montanha de dinheiro vivo, contra Serra, candidato ao governo de São Paulo, e Alckmin, o candidato tucano à Presidência.

O presidente chamou-os de “aloprados”, indignado nem tanto com o episódio em si, mas com a burrice de seus correligionários que acabaram impedindo que ganhasse a eleição no primeiro turno.

Hoje o caso é mais grave, pois envolve um órgão do Estado que deveria proteger o sigilo de seus cidadãos.

O que menos importa é se a repercussão do caso influenciará o resultado da eleição. O grave é a ameaça ao estado de direito embutida nesse uso da máquina pública para chantagem eleitoral.

Anúncios

No registro da candidatura no TSE, PT trocou proposta de governo. Texto original apresentava iniciativas polêmicas.

julho 22, 2010 às 2:45 am | Publicado em Dilma, Eleições 2010, Liberdade de imprensa ameaçada | Deixe um comentário

No segundo dia de campanha oficial, durante caminhada no centro de Jundiaí (SP) nesta quarta-feira (7), o candidato à Presidência da República pelo PSDB, José Serra, criticou a candidata do PT, Dilma Rousseff, por assinar programa de governo sem ler.  A coordenação de campanha petista trocou as diretrizes para o programa de governo que havia sido protocolado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na segunda-feira (5).

“Achei incrivel, realmente. Porque você não assina um programa assim sem dar uma olhada naquilo que tem”, disse o tucano. O TSE confirmou que foi entregue um novo documento.

saiba mais

Serra disse acreditar que o documento entregue inicialmente se tratasse do original com as propostas da candidata petista.

“Na verdade, acho que o propósito era entregar aquele mesmo. Não foi entregue outra versão. Demorou muito. Foi entregue uma versão trabalhada para tirar essas coisas mais polêmicas e que são autenticamente ideias do PT. A própria Dilma, quando foi ministra, assinou várias destas propostas para o presidente Lula e está lá encaminhado. E ontem de novo”, afirmou.

A coordenação da petista havia protocolado o programa do partido aprovado em congresso em fevereiro. O documento previa mais impostos para fortunas, fim da criminalização de movimentos sociais, maior controle sobre a mídia e confirmava apoio à jornada de trabalho de 40 horas sem redução de salários.

A assessoria da campanha de Dilma informou que o programa errado foi entregue “por equivoco”. O texto das novas diretrizes, disponível no site da campanha, é basicamente o mesmo, mas com diferenças significativas de tom. Pontos considerados polêmicos foram excluídos e frases mais críticas, alteradas.

“O programa apresentado estava errado. Apresentaram o programa do congresso do PT, de fevereiro, ao invés do programa da campanha”, afirmou Dilma na terça-feira (6), em Porto Alegre (RS). Sem citar nomes, ela disse que “a pessoa, ao tirar do site, colocou o programa do PT, e não o programa da campanha.”

Dilma Rousseff optou por não participar do evento, o primeiro do gênero na eleição deste ano

julho 22, 2010 às 2:42 am | Publicado em Dilma, Eleições 2010, Utilidade pública | Deixe um comentário

Os presidenciáveis José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV) confirmaram sua participação no 1º Debate On-Line Presidenciáveis 2010. A candidata do PT ao Palácio do Planalto, Dilma Rousseff, optou por não participar.

O evento, uma iniciativa conjunta dos portais iG, MSN, Terra e Yahoo!, está marcado para o próximo dia 26 de julho.

Ao justificar a ausência, a assessoria de imprensa da campanha petista disse considerar inviável a participação de Dilma em debates com data anterior ao dia 5 de agosto, quando acontece o primeiro confronto entre presidenciáveis na televisão, organizado pela Bandeirantes.

“Louvamos a iniciativa dos portais por considerar a internet um importante instrumento de mobilização e de comunicação nas modernas democracias”, informou a campanha de Dilma.

A decisão de limitar o número de participações da ex-ministra da Casa Civil em debates é parte da estratégia comandada pela campanha petista para minimizar a exposição da candidata. O plano é o mesmo executado na campanha de reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2006. Na disputa daquele ano, Lula optou por participar apenas de alguns dos confrontos realizados com os demais candidatos à Presidência, entre eles o tucano Geraldo Alckmin.

Participação

O 1º Debate On-Line Presidenciáveis 2010 representa uma iniciativa inédita na internet brasileira. Juntos, os portais iG, MSN, Terra e Yahoo! atingem 94% dos usuários da rede no País. O evento será inteiramente organizado com a ajuda dos internautas. Até agora, mais de 200 mil pessoas participaram da primeira enquete organizada pelos quatro portais e apontaram a segurança como o tema de maior importância na eleição deste ano.

Até o momento, já foram recebidas quase 10 mil perguntas de internautas para o debate, sem considerar as questões encaminhadas aos portais por meio do Twitter. No Facebook, em menos de 24 horas, 1.269 internautas confirmaram que pretendem acompanhar a transmissão do debate.

PT parceirão das ditaduras

julho 22, 2010 às 2:42 am | Publicado em Eleições 2010, Liberdade de imprensa ameaçada | Deixe um comentário

21/07/2010

às 17:49 \ Direto ao Ponto

O comparsa da ditadura cubana

Em março, a blogueira Yoani Sánchez mandou ao presidente Lula uma carta com um apelo: queria visitar o Brasil em 23 de julho, para assistir ao lançamento do documentário Conexão Cuba Honduras, em que aparece como entrevistada. O destinatário poderia facilitar as coisas se pedisse ao governo da ilha que autorizasse a viagem.

Há uma hora, Yoani divulgou pelo twitter a seguinte informação:

“Pedi a Lula que interceda por mi viaje ante autoridades cubanas, pero carta de invitacion hecha en consulado de cuba en Brasil no aparece”.

O documentário será exibido nesta sexta-feira. Pela quinta vez em três anos, Yoani será impedida de sair do país. E saberá que pediu socorro a um comparsa da ditadura dos irmãos Castro. O governo brasileiro faz todas as vontades do amigo Fidel, como souberam tarde demais os pugilistas Guilhermo Rigondeaux e Erislandy Lara, presos pela Polícia Federal e deportados para Cuba, durante os Jogos Panamericanos de 2007, por ordem do ministro Tarso Genro.

Quem acha que Orlando Zapata procurou a morte na cadeia jamais se comoverá com uma jornalista que procura a vida fora da ilha-prisão.

Tags: , , , , , ,

Carta para Lula. A Dilma é muito pior.

julho 21, 2010 às 2:49 am | Publicado em Dilma, Eleições 2010, Liberdade de imprensa ameaçada, Utilidade pública | Deixe um comentário

Lula

Não lhe dispensarei o tratamento de senhoria, muito menos de excelência,
porque não reconheço em você autoridade intelectual nem moral para ser meu
presidente.

Sou um cidadão simples, com 62 anos de idade, revoltado com as
bandalheiras, desmandos e roubalheiras patrocinadas pelo seu governo e
aliados. Não sou filiado a nenhum partido político nem tenho pretensões de
concorrer a qualquer cargo público. Sou um brasileiro indignado que se
rebela por perceber que este país não oferecerá aos meus filhos e netos um
lugar decente para viver. Hoje, eu sinto vergonha de ser brasileiro por
ver meu país ter um governo e aliados tão desonestos, tão sem escrúpulos,
tão mentirosos e tão corruptos. Tenho certeza que, conhecendo os métodos
praticados pela bandidagem que o cerca, estou colocando em risco minha
integridade física, quem sabe minha vida. Mas só covardes aceitam se
submeter a governos canalhas e corruptos como o seu.

Usarei o mesmo linguajar rasteiro que você sempre usou e que ainda utiliza
hoje para se referir aos adversários políticos do presente, pois os do
passado, de “bandidos” viraram “mocinhos”. Dito isto, vamos ao que
interessa. Tenho certeza que milhões de brasileiros gostariam de lhe dizer a
mesma coisa.

Quero dizer que não lhe devo nenhum respeito, pois um presidente que fala o
que quer, ouve o que não quer. Um presidente que classifica de idiota quem
discorda das suas políticas populistas que estão transformando o Brasil num
país de vagabundos, que usa palavrões e termos chulos sem nenhum
constrangimento, que se ufana de ter estudado pouco, não falar outro idioma
e ter se tonado presidente e, com isto, indiretamente, induzir
a população a crer que não é preciso estudar nem trabalhar para vencer na
vida, não merece meu respeito.

Um presidente que rebaixou a instituição Presidência da República e as
instituições políticas aos níveis mais baixos jamais vistos, não merece meu
respeito. Quem se aliou à escória da política brasileira, de quem dizia
cobras e lagartos no passado, não merece meu respeito. Um presidente que
agride e desrespeita os políticos da oposição e, indiretamente, seus
eleitores, como você tem desrespeitado sistematicamente, não merece meu
respeito. Um presidente cujo partido tomou de assalto a máquina pública com
o único objetivo de agradar os seus companheiros militantes, não merece meu
respeito. Um presidente de um partido que passou 25 anos se vendendo como o
paradigma e o paladino da moralidade e da ética na política e que, uma vez
chegando ao poder, se mostrou o governo mais corrupto e mais mentiroso que o
país já teve (além de dizer que no passado fazia bravatas), não merece meu
respeito.

Um presidente que procura jogar brasileiros contra brasileiros, estimulando
o ódio entre as pessoas, que menospreza e ofende aqueles que são mais bem
sucedidos intelectualmente ou financeiramente como se fosse deles a culpa
pelo infortúnio dos menos favorecidos, não merece meu respeito. Esquece que
, na maioria das vezes, aqueles conquistaram seu lugar ao sol com muito
estudo, trabalho e dedicação, enquanto os últimos, também na maioria das
vezes, preferiram levar uma vida sem esforço ou ficaram parasitando os
trabalhadores em algum sindicato.

1. Você é um demagogo, mentiroso, sem caráter, além de corrupto. Você não
tem vergonha na cara. Dizer que nunca sabe nada sobre as maracutaias do seu
governo e do seu partido, é a maior mentira já aplicada neste país. Não é
José Dirceu o chefe da quadrilha, é você. Não sou eu que o acusa de ladrão.
São ex-companheiros seus. Ou você nega as acusações que lhe fizeram
fundadores do PT os ex-petistas Paulo de Tarso Venceslau – ex-secretário da
Fazenda sobre a roubalheira na prefeitura de São José dos Campos, e Cezar
Benjamim, coordenador das duas primeiras campanhas do PT à presidência da
república, sobre o roubo de recursos do FAT? Você nega? Se fosse mentira,
porque você não os processou? Por que você não processou Frei Beto que se
afastou enojado do que viu?

2. Quando ocorreram as enchentes catastróficas em S. Catarina, você
apareceu lá quantos dias depois? 10, 15? Todas as vítimas já receberam o
auxílio que lhes foi prometido?

– Quando ocorreram os deslizamentos em Angra dos Reis você nem apareceu por
lá. Ou apareceu? Quantos dias depois?

– Quando acorreu o acidente com o avião da TAM no aeroporto de Congonhas,
você apareceu lá?

Agora, para aparecer para mídia internacional, você se apressou e dois dias
após o terremoto no Chile já estava lá.

3. Outras atitudes canalhas: enquanto muitos estados e municípios necessitam
de ajuda financeira para resolver seus problemas, seu governo cria
dificuldades para auxiliá-los pelo simples fato dos governantes serem de
oposição. Levantamentos mostram que a maior parte dos recursos liberada pelo
seu governo foi para prefeituras administradas pelo PT.

Além disto, há falta de hospitais, escolas, presídios, condições dignas de
trabalho na área de saúde, a segurança é um caos, o tráfico de drogas nunca
se expandiu tanto, e tantos outros desmandos e descasos. Os aposentados veem
a cada ano o seu rendimento diminuir.

Entretanto, você ordena que o BNDES financie o genocida do Fidel, o
cocaleiro do Morales, o louco do Chávez. Quantos bilhões de dólares foram
emprestados? 1, 2 ou mais?

E o perdão das dívidas com o Brasil contraídas por republiquetas bananeiras
governadas (a maioria) por ditadores, genocidas e corruptos? Foram quantos
milhões de dólares? 800 milhões?

Tudo isto é um escárnio com a população brasileira.

E o que dizer sobre a declarada intenção da compra de 36 caças Rafale pelo
mesmo preço que a Índia pagará por 126, conforme noticiado? Ou por preço bem
superior aos oferecidos pelos Estados Unidos e Suécia? Dizer que é por
questões estratégicas? Tenha dó! Não julgue todos os brasileiros idiotas
como é a maioria dos seus eleitores.

4. E o aparelhamento do Estado por petistas? Não há nenhuma preocupação com
o inchaço da máquina pública, desde que isto proporcione à “cumpanherada” um
estilo de vida que sempre condenaram. Hoje, a maioria dos petistas
aboletados em ministérios e estatais formam uma nova classe: a dos burgueses
do capital alheio

5. Por que foi barrada a CPI da Petrobrás? Medo de que seja descoberto o
maior desvio de dinheiro público jamais visto no país?

6. Quando os boxeadores cubanos requereram asilo político ao Brasil durante
os jogos do Pan, você agiu rápido: mandou prendê-los e deportá-los no dia
seguinte para Cuba num avião cedido por Chávez, para agradar seu ídolo
Fidel. Diga-se que a concessão de asilo político é uma das mais dignas e
respeitáveis ações internacionais que um governo democrático pode e
deve exercer, principalmente quando o pleiteador do asilo quer fugir de
uma ditadura.

Por outro lado, certamente, você concederá refúgio a um criminoso frio e
cruel, numa afronta ao povo, ao Governo e ao Judiciário italianos.

E o que dizer sobre as frases pronunciadas por você a respeito do
dissidente cubano? Que o infeliz morreu porque parou de comer!!. É um
deboche! Ele preferiu morrer a viver sob uma ditadura, estúpido!! Afirmar
que se tornou comum dizerem que lhe mandam cartas, mas que as guardam para
si, e que é preciso protocolá-las, é de uma safadeza inaceitável. Pois eu
estou protocolando esta minha manifestação de revolta e indignação. Quero
ver se os seus assessores a farão chegar ao destino. Quem não quis receber
os portadores da carta dos dissidentes cubanos foram funcionários do
megalonanico Celso Amorim. Precisava carta, se a imprensa mundial noticiou
repetidamente que o Zapatta estava há semanas em greve de fome?
Precisava? Por que você não telefonou para seu amigo Fidel e intercedeu
pela liberdade do infeliz? E o caso mais recente: você pergunta o que seria
do Brasil se os bandidos de S. Paulo resolvessem fazer greve de fome para
serem libertados. Comparar dissidentes cubanos, cujo “crime” é o de
discordar da ditadura castrista, com bandidos e criminosos comuns do Brasil,
é uma afronta. É julgar todos os brasileiros como se fossem imbecis. De
forma cínica e desumana, o seu governo não votou a favor da condenação, na
ONU, do genocida ditador do Sudão, que matou mais de 300.000 compatriotas em
Darfur. Governantes que se dizem defensores da democracia, mas que se aliam
a ditadores, genocidas e violadores dos direitos humanos, não passam de
patifes e pessoas sem caráter. Dizem uma coisa e fazem outra.

7. E o circo promovido com relação a Honduras? Você e seus áulicos Marco
Aurélio Garcia e Celso Amorim envergonham o Brasil. Insistir que quem deu um
golpe foram os militares hondurenhos, é de uma desonestidade monumental. A
verdade é que o fanfarrão do Zelaya quis violar a Constituição daquele país.
No Brasil, os seus capangas seguidamente tentam alterar a Constituição para
amordaçar o Legislativo, o Judiciário e a imprensa.

8. Por que você não assume que o PT é sócio de traficantes de drogas? Ou o
PT não é sócio das FARC na mesma organização narco-terrorista que é o Foro
de São Paulo? Desminta que você e Marco Aurélio Garcia assinaram a ata de
fundação do Foro de São Paulo, junto com as FARC e outras organizações
esquerdistas, comunistas e terroristas, no início dos anos 1990, logo que
caiu o Muro de Berlim.

9. E as mentiras escandalosas sobre o PAC. A farsa foi desmascarada há muito
tempo pela oposição e num editorial do Estadão. Não bastasse incluir obras
construídas e financiadas por estados, municípios e empresas privadas,
agora, conforme denuncia a Folha, dados sobre as obras do PAC são fraudados.

Aliás, a dissimulação, a mentira, a calúnia, a injúria e a difamação, são os
instrumentos preferidos pela maioria dos petistas para fazer política e
atingir seus adversários. Veja o que fizeram contra o ex-presidente FHC, sua
esposa Da. Ruth, contra o então candidato Serra (quando candidato ao governo
de São Paulo), contra o Eduardo Jorge e tantos outros políticos.

Quando o governador José Serra apresenta uma maquete de uma obra que
pretende licitar e construir (uma ponte ligando Santos à Guarujá) você, de
forma mentirosa e canalha, diz nas TVs “que já estão inaugurando até
maquete”! Que falta de caráter! Que vigarice!

Nem pessoas comuns escapam incólumes à fúria de calúnias e difamações,
quando simplesmente se posicionam contra as bandalheiras de seu governo ou,
– que pecado mortal! – não são petistas.

Explique todas estas canalhices, grande líder mundial. Líder só para gente
como você ou desinformados, ou idiotas ou corruptos, que não sabem onde
foram cair a partir de 2003: nas mãos de um bando de sindicalistas
parasitas, ou oportunistas, guerrilheiros, assaltantes de bancos,
comunistas recalcados e corruptos. O leque é bastante amplo para escolher
em que categoria cada um se enquadra.

Líder para uma maioria absoluta de jornalistas cooptados sabe-se lá por
quais motivos e meios.

Você está transformando o Brasil numa republiqueta vagabunda, em vez de um
país em que a ética, a honestidade, o respeito à honra das pessoas e o amor
à pátria, à verdade e à liberdade sejam os alicerces em que deve se
sustentar uma grande Nação. Você está acabando com a dignidade das pessoas.
Não basta que as pessoas tenham o que comer. Elas precisam também de um
alimento para a sua alma, o seu espírito, para que possam realmente ter uma
consciência de civismo, de patriotismo e de nacionalidade. E este alimento
é a dignidade moral.

Se a comunidade internacional soubesse verdadeiramente o que é o governo
Lula, jamais faria o juízo que faz a seu respeito.

Se Deus quiser, o povo brasileiro se dará conta do embuste que é o seu
governo e dispensará para sempre esta corja que o cerca e que hoje está no
poder. A não ser que a maioria seja de desinformados, idiotas,
ignorantes ou corruptos.

Sem nenhum respeito e admiração.

Delmar Philippsen

Dilma não encara o público sem ser fantoche dos assessores.

julho 9, 2010 às 11:55 pm | Publicado em Dilma, Eleições 2010, Liberdade de imprensa ameaçada | Deixe um comentário

05/07/2010

às 5:21

DILMA SE NEGA A DIZER AO “GLOBO” POR QUE QUER SER PRESIDENTE. RESPOSTA: A DILMA QUE EXISTE NÃO É CANDIDATA, E A QUE É CANDIDATA NÃO EXISTE

Vejam esta página do jornal O Globo deste domingo. Volto em seguida.

pagina-do-globo-pergunta2

O jornal convidou os três principais presidenciáveis a responder uma pergunta muito difícil, de caráter realmente transcendental: “Por que quero ser presidente Do Brasil?” A questão era lançada assim mesmo, na primeira pessoa, como se o presidenciável estivesse diante do espelho e se entregasse a uma reflexão a um só tempo política e existencial. Todos nós, creio, já nos deparamos com aquele “outro” refletido e nos indagamos sobre nossas escolhas, anseios, projetos futuros.

O tucano José Serra (aqui) e a verde Marina Silva (aqui) aceitaram o desafio. Vê-se ali uma grande interrogação onde deveria estar a resposta da petista Dilma Rousseff. O Globo informa:
“Desde o dia 10 de junho, a campanha da candidata Dilma Rousseff foi procurada para que ela respondesse a apenas uma pergunta. O convite foi reiterado diversas vezes desde então, mas ela se recusou a responder à pergunta, que seria apenas: ‘Por que quero ser presidente do Brasil?’”

Qual a dificuldade, afinal de contas, de responder a uma indagação tão simples quando se tem um exército de assessores? Eis o busílis: a proposta do Globo era que o candidato gravasse uma resposta de cinco minutos, sem a interferência de aspones e profissionais de mídia. Como diria a senadora Kátia Abreu (DEM-TO), presidente da CNA, também o jornal queria “a resposta dos candidatos, não dos marqueteiros”. E aí Dilma pulou fora. Serra e Marina aceitaram gravar a resposta, e o jornal publicou uma síntese do que disseram.

É constrangedor saber que a candidata petista, empatada tecnicamente com o adversário tucano, apontada por boa parte da imprensa como favorita, tenha se recusado a responder.

Dilma tem evitado as sabatinas para as quais é convidada. Compreende-se o motivo: num formato com perguntas realmente livres, ela não controla o interlocutor e pode se deparar com indagações consideradas incômodas. Como ela está em construção, o PT não quer atrapalhar o trabalho dos engenheiros de gente. Mas o que há de arriscado numa pergunta fechada, de conteúdo previamente conhecido? Por que Dilma não aceitou gravar uma resposta de cinco minutos?

Dois fatores concorrem, parece-me, para que aquele ponto de interrogação tenha ido parar no centro da página. Um deles é a arrogância de sempre. Os petistas acham que não precisam “dar explicações à imprensa”, como se aquela indagação fosse parte de algum desafio, de alguma disputa. E é evidente que isso é bobagem. A imprensa só é um dos canais de comunicação que o candidato tem com a opinião pública. Mas o PT sabidamente não gosta desse negócio de “mídia livre”. Escrevi ontem sobre a nova investida do partido para controlar os meios de comunicação — vejam lá.

O outro fator está relacionado à complexa simplicidade da pergunta, a seu apelo, como digo lá no alto, existencial. Ela remete à questão da IDENTIDADE. A petista não tem como responder porque A DILMA QUE DISPUTA A ELEIÇÃO NÃO EXISTE, E A DILMA QUE EXISTE NÃO DISPUTA A ELEIÇÃO. Ou por outra: a candidata apresentada ao eleitor é uma construção da marquetagem. Foi preciso que ela deixasse de ser quem era para assumir, como já declarou Lula, o lugar de um “outro”. Ela já não sabe quem é. Por isso mesmo, não tem como enfrentar desafio tão simples. Sua resposta poderia se resumir a oito palavras: “Quero ser presidente da República porque Lula decidiu”. E isso encerraria toda a sua dramática verdade.

Goste-se ou não do que pensam e dizem, Serra e Marina são quem são. Não precisam se esconder. No dia 20 de abril, por exemplo, em entrevista a uma rádio de Pernambuco, estado que tem o MST mais violento do país, Dilma afirmou que jamais usaria um boné do MST porque governo não se confunde com “movimento social”. Em outra entrevista, aí a uma rádio de Uberlândia, no dia 23 do mês passado, criticou as ilegalidades do MST e afirmou que, num eventual governo seu, elas não seriam toleradas. No dia seguinte, foi ao Sergipe e discursou com o boné do MST na cabeça. No dia 25, encontrou-se com mulheres da alta sociedade paulistana na casa do empresário Abílio Diniz e reiterou seu amor pela lei e pela ordem. Quantas caras tem Dilma? Todas as que o mercado de votos pedir. E isso significa não ter nenhuma. Por isso mesmo, é incapaz de responder: “Por que eu quero ser presidente do Brasil?” Cinco minutos viram uma eternidade!

Agora vejam esta imagem:

estadao-receita-de-doce

Acima, vocês vêem uma página do Estadão de 1968, submetida à censura prévia. Onde deveria estar uma notícia, entrou receita de doces. Era um jeito que o jornal tinha de informar a seus leitores que fora censurado. O ponto de interrogação no espaço reservado a Dilma, no Globo, é a receita de doce dos tempos modernos. Felizmente, e contra a vontade dos petistas — leia, reitero, texto de ontem sobre nova investida contra a “mídia” —, a imprensa é livre no Brasil. Livre para informar, inclusive, o que pensa Dilma. Uma liberdade que, como se nota, ela considera dispensável à sua causa. Curiosamente, ela recusa uma resposta simples ao jornal O Globo, menina dos olhos de Roberto Marinho, mas aceita o convite para jantar de Lily Marinho, viúva do lendário jornalista e  empresário. Dilma parece se sentir mais à vontade para dizer o que pensa em círculos fechados. Por alguma razão, o debate público não lhe interessa.
*
Acompanhe o Twitter

Por Reinaldo Azevedo

Antigo e ótimo.

julho 8, 2010 às 10:42 pm | Publicado em Eleições 2010 | Deixe um comentário

A CAMINHO DOS 99,9999995%
(Gilberto Geraldo Garbi)

Há poucos dias, a imprensa anunciou amplamente que, segundo as últimas pesquisas de opinião, Lula bateu de novo seus recordes anteriores de popularidade e chegou a 84% de avaliação positiva.

É, realmente, algo nunca antes visto nesse país e eu fiquei me perguntando o que poderemos esperar das próximas consultas populares.
Lembro-me de que quando Lula chegou aos 70% achei que ele jamais bateria Hitler, a quem, em seu auge, a cultíssima Alemanha chegara a conceder 82% de aprovação.

Mas eu estava enganado: nosso operário-presidente já deixou para trás o psicopata de bigodinho e hoje só deve estar perdendo para Fidel Castro e para aquele tiranete caricato da Coreia do Norte, cujo nome jamais me interessei em guardar.

Mas Lula tem uma vantagem sobre os dois ditadores: aqui as pesquisas refletem verdadeiramente o que o povo pensa, enquanto em Cuba e na Coreia do Norte as pesquisas de opinião lembram o que se dizia dos plebiscitos portugueses durante a ditadura lusitana: SIM, Salazar fica; NÃO, Salazar não sai; brancos e nulos sendo contados a favor do governo.

(Quem nunca ouviu falar em Salazar, por favor, pergunte a um parente com mais de 60).
Portanto, a popularidade de Lula ainda tem espaço para crescer, para empregar essa expressão surrada e pedante, mas adorada pelos economistas.

E faltam apenas cerca de 16% para que Lula possa, com suas habituais presunção e imodéstia, anunciar ao mundo que obteve a unanimidade dos brasileiros em torno de seu nome, superando até Jesus Cristo ou outras celebridades menores que jamais conseguiram livrar-se de alguma oposição.
Sim, faltam apenas 16% mas eu tenho uma péssima notícia a dar a seu hipertrofiado ego: pode tirar o cavalinho da chuva, cumpanhero, porque de 99,9999995% você não passa..

Como você não é muito chegado em Aritmética, exceto nos cálculos rudimentares dos percentuais sobre os orçamentos dos ministérios que você entrega aos partidos que constituem sua base de sustentação no Congresso, explico melhor: o Brasil tem 200.000.000 de habitantes, um dos quais sou eu. Represento, portanto, 1 em 200.000.000, ou seja, 0,0000005% enquanto os demais brasileiros totalizam os restantes 99,9999995%. Esses, talvez, você possa conquistar, em todo ou em parte. Mas meus humildes 0,0000005% você jamais terá porque não há força neste ou em outros mundos, nem todo o dinheiro com que você tem comprado votos e apoios nos aterros sanitários da política brasileira, não há, repito, força capaz de mudar minha convicção de que você foi o pior dentre todos os presidentes que tive a infelicidade de ver comandando o Brasil em meus 65 anos de vida.

E minha convicção fundamenta-se em um fato simples: desde minha adolescência, quando comecei a me dar conta das desgraças brasileiras e a identificar suas causas, convenci-me de que na raiz de tudo está a mentalidade dominante no Brasil, essa mentalidade dos que valorizam a esperteza e o sucesso a qualquer custo; dos que detestam o trabalho e o estudo; dos que buscam o acesso ao patrimônio público para proveito pessoal; dos que almejam os cabides de emprego, as sinecuras e os cargos fantasmas; dos que criam infindáveis dinastias nepotistas nos órgãos públicos; dos que desprezam a justiça desde que a injustiça lhes seja vantajosa; dos que só reclamam dos privilégios por não estar incluídos entre os privilegiados; dos que enriquecem através dos negócios sujos com o Estado; dos que vendem seus votos por uma camiseta, um sanduíche ou, como agora, uma bolsa família; dos que são de tal forma ignorantes e alienados que se deixam iludir pelas prostitutas da política e beijam-lhes as mãos por receber de volta algumas migalhas do muito que lhes vem sendo roubado desde as origens dos tempos; dos que são incapazes de discernir, comover-se e indignar-se diante de infâmias.

Antes e depois de mim, muitos outros brasileiros, incomparavelmente melhores e mais lúcidos, chegaram à mesma conclusão e, embora sejamos minoria, sinto-me feliz e honrado por estar ao lado de Rui Barbosa. Já ouviu falar nele?

Como você nunca lê, eu quase iria sugerir-lhe que pedisse a algum de seus incontáveis assessores que lhe falasse alguma coisa sobre a Oração aos Moços… Mas, esqueça… Se você souber o que ele, em 1922, disse de políticos como você e dos que fazem parte de sua base de sustentação, terá azia até o final da vida.

Pense a maioria o que quiser, diga a maioria o que disser, não mudarei minha convicção de que este País só deixará de ser o que é uma terra onde as riquezas produzidas pelo suor da parte honesta e trabalhadora é saqueada pelos parasitas do Estado e pelos ladrões privados eternamente impunes quando a mentalidade da população e de seus representantes for profundamente mudada.

Mudada pela educação, pela perseverança, pela punição aos maus, pela recompensa aos bons, pelo exemplo dos governantes.

E você Lula, teve uma oportunidade única de dar início à mudança dessa mentalidade, embalado que estava com uma vitória popular que poderia fazer com que o Congresso se curvasse diante de sua autoridade moral, se você a tivesse.

Você teve a oportunidade de tornar-se nossa tão esperada âncora moral, esta sim, nunca antes vista nesse País.

Mas não, você preferiu o caminho mais fácil e batido das práticas populistas e coronelistas de sempre, da compra de tudo e de todos.

Infelizmente para o Brasil, mas felizmente para os objetivos pessoais seus e de seu grupo, você estava certo: para que se esforçar, escorado apenas em princípios de decência, se muito mais rápido e eficiente é comprar o que for necessário, nessa terra onde quase tudo está à venda?

Eu não o considero inteligente, no nobre sentido da palavra,porque uma pessoa verdadeiramente inteligente, depois de chegar aonde você chegou, partindo de onde você partiu, não chafurdaria nesse lamaçal em que você e sua malta alegremente surfam, nem se entregaria a seu permanente êxtase de vaidade e autoidolatria.

Mas reconheço em você uma esperteza excepcional: nunca antes nesse País um presidente explorou tão bem, em proveito próprio e de seu bando, as piores qualidades da massa brasileira e de seus representantes.

Esse é seu legado maior, e de longa duração: o de haver escancarado a lúgubre realidade de que o Brasil continua o mesmo que Darwin encontrou quando passou por essas plagas em 1832 e anotou em seu diário: Aqui todos são subornáveis.

Você destruiu as ilusões de quem achava que havíamos evoluído em nossa mentalidade e matou as esperanças dos que ainda acreditavam poder ver um Brasil decente antes de morrer.
Você não inventou a corrupção brasileira, mas fez dela um maquiavélico instrumento de poder, tornando-a generalizada e fazendo-a permear até os últimos níveis da Administração.

O Brasil, sob você, vive um quadro que em medicina se chamaria de septicemia corruptiva.

Peça ao Marco Aurélio para lhe explicar o que é isso.

Você é o sonho de consumo da banda podre desse País, o exemplo que os funcionários corruptos do Brasil sempre esperaram para poder dar, sem temores, plena vazão a seus instintos.

Você faz da mentira e da demagogia seu principal veículo de comunicação com a massa.

A propósito, o que é que você sente, todos os dias, ao olhar-se no espelho e lembrar-se do que diz nos palanques?
Você sente orgulho em subestimar a inteligência da maioria e ver que vale a pena?

Você mentiu quando disse haver recebido como herança maldita a política econômica de seu antecessor, a mesma política que você manteve integralmente e que fez a economia brasileira prosperar.

Você mentiu ao dizer que não sabia do Mensalão.

Mentiu quando disse que seu filho enriqueceu através do trabalho.

Mentiu sobre os milhões que a Ong 13, de sua filha, recebeu sem prestar contas.

Mentiu ao afastar Dirceu, Palocci, Gushiken e outros cumpanheros pegos em flagrante.

Mente quando, para cada platéia, fala coisas diferentes, escolhidas sob medida para agradá-las.

Mentiu, mente e mentirá em qualquer situação que lhe convenha.
Por falar em Ongs, você comprou a esquerda festiva, aquela que odeia o trabalho e vive do trabalho de outros, dando-lhe bilhões de reais através de Ongs que nada fazem, a não ser refestelar-se em dinheiro público, viajar, acampar, discursar contra os exploradores do povo e desperdiçar os recursos que tanta falta fazem aos hospitais.
Você não moveu uma palha, em seis anos de presidência, para modificar as leis odiosas que protegem criminosos de todos os tipos neste País sedento de Justiça e encharcado pelas lágrimas dos familiares de tantas vítimas.

Jamais sua base no Congresso preocupou-se em fechar ao menos as mais gritantes brechas legais pelas quais os criminosos endinheirados conseguem sempre permanecer impunes, rindo-se de todos nós.

Ao contrário, o Supremo, onde você tem grande influência, por haver indicado um bom número de Ministros, acaba de julgar que mesmo os condenados em segunda instância podem permanecer em liberdade, até que todas as apelações, recursos e embargos sejam julgados, o que, no Brasil, leva décadas.

Isso significa, em poucas palavras, que os criminosos com dinheiro suficiente para pagar os famosos e caros criminalistas brasileiros podem dormir sossegados, porque jamais irão para a cadeia.

Estivesse o Supremo julgando algo que interessasse a seu grupo ou a suas inclinações ideológicas, certamente você teria se empenhado de corpo e alma.

Aliás, Lula, você nunca teve ideais, apenas ambições..

Você jamais foi inspirado por qualquer anseio de Justiça.

Todas as suas ações, ao longo da vida, foram motivadas por rancores, invejas, sede pessoal de poder e irrefreável necessidade de ser adorado e ter seu ego adulado.

Seu desprezo por aquilo que as pessoas honradas consideram Justiça manifesta-se o tempo todo: quando você celeremente despachou para Cuba alguns pobres desertores que aqui buscavam a liberdade; quando você deu asilo a assassinos terroristas da esquerda radical; quando você se aliou à escória do Congresso, aquela mesma contra quem você vociferava no passado; quando concedeu aumentos nababescos a categorias de funcionários públicos já regiamente pagos, às custas dos impostos arrancados do couro de quem trabalha arduamente e ganha pouco; quando você aumentou abusivamente as despesas de custeio, sabendo que pouquíssimo da arrecadação sobraria para os investimentos de que tanto carece a população; quando você despreza o mérito e privilegia o compadrio e o populismo; e vai por aí…. Justiça, ora a Justiça, é o que você pensa…

Você tem dividido a nação, jogando regiões contra regiões, classes contra classes e raças contra raças, para tirar proveito das desavenças que fomenta.

Aliás, se você estivesse realmente interessado, como deveria, em dar aos pobres, negros e outros excluídos as mesmas oportunidades que têm os filhos dos ricos, teria se empenhado a fundo na melhoria da saúde e do ensino públicos.

Mas você, no íntimo, despreza o ensino, a educação e a cultura, porque conseguiu tudo o que queria, mesmo sendo inculto e vulgar. Além disso, melhorar a educação toma um tempo enorme e dá muito trabalho, não é mesmo?

E se há coisa que você e o Partido dos Trabalhadores definitivamente detestam é o trabalho: então, muito mais fácil é o atalho das cotas, mesmo que elas criem hostilidades entres as cores, que seus critérios sejam burlados o tempo todo e que filhos de negros milionários possam valer-se delas.
A Imprensa faz-lhe pouca oposição porque você a calou, manipulando as verbas publicitárias, pressionando- a economicamente e perseguindo jornalistas.

O que houve entre o BNDES e as redes de televisão?

O que você mandou fazer a Arnaldo Jabor, a Boris Casoy, a Salete Lemos?

Essa técnica de comprar ou perseguir é muito eficaz.

Pablo Escobar usou-a com muito sucesso na Colômbia, quando dava a seus eventuais opositores as opções: O plata, o plomo. Peça ao Marco Aurélio para traduzir. Ele fala bem o Espanhol.

Você pode desdenhar tudo aquilo que aqui foi dito, como desdenha a todos que não o bajulem.
Afinal, se você não é o maior estadista do planeta, se seu governo não é maravilhoso, como explicar tamanha popularidade?

É fácil: políticos, sindicatos, imprensa, ONGs, movimentos sociais, funcionários públicos, miseráveis, você comprou com dinheiro, bolsas, cotas, cargos e medidas demagógicas.

Muita gente que trabalha, mas desconhece o que se passa nas entranhas de seu governo, satisfez-se com o pouco mais de dinheiro que passou a ganhar, em consequência do modesto crescimento econômico que foi plantado anteriormente, mas que caiu em seu colo.

Tudo, então, pode se resumir ao dinheiro e grande parte da população parece estar disposta a ignorar os princípios da honradez e da honestidade e a relevar as mentiras, a corrupção, os desperdícios, os abusos e as injustiças que marcam seu governo em troca do prato de lentilhas da melhoria econômica.
É esse, em síntese, o triste retrato do Brasil de hoje. E, como se diz na França, l´argent n´est tout que dans les siècles où les hommes ne sont rien.
Você não entendeu, não é mesmo? Então pergunte à Marta. Ela adora Paris e há um bom tempo estamos sustentando seu gigolô franco-argentino. ..

Gilberto Geraldo Garbi

16/11/2009

2010 é um ano eleitoral. Espero que os eleitores brasileiros valorizem seus votos, pois o voto é a arma para acabar com a impunidade no país

O Brasil com DILMA, SEM LIBERDADE DE IMPRENSA. Como ainda podem pensar em votar nessa mulher? O governo quer TRANSFORMAR EM LEIS diretrizes que “regulam” a imprensa. O Brasil a caminho da ditadura de novo, só que de esquerda. DILMA CHÁVEZ.

julho 5, 2010 às 4:45 am | Publicado em Dilma, Eleições 2010, Liberdade de imprensa ameaçada | Deixe um comentário

04/07/2010 às 7:35

O PT VOLTA A AMEAÇAR OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO. OU AINDA: QUEM TEM MEDO DE DILMA ROUSSEFF? OU AINDA: O CASAMENTO DO MR-8 COM A VAR-PALMARES

Em dezembro do ano passado, Franklin Martins (ex-MR-8) comandou a Confecom, a tal Conferência de Comunicação, que aprovou nada menos de 633 propostas para regular os meios de comunicação no Brasil. O calhamaço, apresentado por entidades da sociedade civil — que, na maioria das vezes, são franjas do PT, muitas delas com descarado financiamento público —, prega o chamado “controle social da mídia”. Essa expressão é só o norte moral da tigrada. Na prática, pretende-se subordinar a comunicação — leia-se: a imprensa — aos interesses ideológicos da companheirada. Quando a trolha toda foi aprovada, a turma que gosta de fazer o jogo dos contentes para não ter de enfrentar o monstrengo autoritário fingiu tranqüilidade: “Ah, a conferência é só um conjunto de propostas”.

Pois bem: ficamos sabendo ontem que o governo decidiu dar encaminhamento prático àquelas “sugestões”. Anunciou que vai transformá-las em projetos de lei e encaminhá-las ao Congresso. O normal seria que a discussão só fosse retomada no novo governo, seja ele qual for. MAS NÃO! O lulismo está lembrando aos interessados que dispõe daquele “norte moral”. E anuncia que pode partir para a briga. Está chamando a atenção para o fato de que, num eventual governo Dilma (ex-VAR-Palmares), aquilo tudo pode ter conseqüências práticas. O petismo vai se dedicar mais ou se dedicar menos ao “controle social da mídia” a depender do “bom comportamento” dessa mídia na cobertura das eleições.

Trata-se de um misto de ameaça e chantagem mesmo, sem disfarce. É evidente que Dilma é uma candidata competitiva e que pode vencer as eleições. Tal possibilidade, que não é pequena, está sendo trazida a valor presente: “Se vocês se comportarem direitinho, podemos deixar de lado certas coisas; caso não se comportem e se a gente ganhar, bem, ai haverá troco”. O silêncio ou não da “mídia” diante da nova investida é que vai revelar se ela decidiu comprar a briga da causa democrática ou se, na pratica, deixou-se mesmo intimidar.

Lembro que o PT inventou o mito de que existiria uma conspiração na imprensa contra o partido, embora não seja difícil provar que isso é não apenas falso como constitui o avesso da verdade. Na prática, os valores e a visão de mundo do partido são dominantes nos grandes meios de comunicação, com raras exceções. Costumo dizer que a patrulha esquerdopata dá plantão até no Telecurso Segundo Grau…

Abaixo, lembro algumas das “diretrizes” da Confecom, que o governo anuncia querer transformar, agora, em leis. Volto sem seguida:

– Criação do Conselho Federal de Jornalismo para fiscalizar as atividades de jornalistas e meios de comunicação;
– Criação do Observatório Nacional de Mídia e Direitos Humanos, para coibir supostos desrespeito a movimentos sociais, comunidades como quilombolas, gays, deficientes, crianças e idosos;
– Criar mecanismos de fiscalização para punir rádios e TVs que veiculem conteúdos depreciativos contra minorias. Não há indicações de como isso seria feito;
– Criação de uma nova Lei de Imprensa – que foi derrubada pelo STF recentemente – que garanta direito de resposta e assegure a pluralidade de versões em reportagens controversas;
– Criação de cotas para programas educacionais, culturais e informativos em TVs abertas e por assinatura;
– Criação de cotas para canais e programas nacionais em TV por assinatura. Pelo menos 50% dos canais de qualquer pacote teriam que ser nacionais;
– Restrições a propriedade de veículos de comunicação por uma mesma pessoa, a chamada propriedade cruzada;
– Limitar a formação de redes nacionais por emissoras de TV. Uma empresa, líder de uma rede, não pode controlar mais de 10% das afiliadas;
– Redução do limite do capital externo de 30% para 10% em empresas de comunicação;
– Fiscalização com controle social do financiamento, das obrigações fiscais e trabalhistas das empresas de comunicação. Grupos sociais poderiam ter acesso as contas das empresas de comunicação;
– Criar empresa pública para incentivar a distribuição de filmes e vídeos, uma nova Embrafilme;
– Proibir a venda ou o aluguel de espaços na grade da programação de emissoras de rádio e TV. A idéia é evitar que empresas detentoras de concessões busquem lucros apenas com o comércio das próprias licenças;
– Criar o Fundo Nacional e vários fundos estaduais de comunicação pública com recursos do Fundo de Fiscalização das Empresas de Telecomunicações;
– Criar política de massificação de TVs por assinatura e de universalização da banda larga para facilitar o uso da internet em todo o país, principalmente nas regiões distantes dos grandes centros;
– Distribuição equânime das concessões de canais de TV por assinatura entre iniciativa privada, sociedade civil e poder público;
– Criação do Código de Ética do Jornalismo para regular a prática do jornalismo;
– Volta da obrigatoriedade do diploma para o exercício da profissão de jornalista.

Voltei
Sob a aparência da “democratização” e do “controle social”, temos um conjunto de propostas que tem um claro sentido dirigista. É óbvio que os petistas sabem que não têm como emplacar agora nenhuma dessas medidas. Mas ameaçam fazê-lo depois, caso Dilma seja eleita. E qual é o preço para que não façam? O bom comportamento.

Eis o método petista de fazer as coisas. O partido aprendeu, especialmente na crise do mensalão, que um bom modo de tratar a imprensa é aos tapas e pontapés. Aprendeu que a intimidação, infelizmente, funciona. Até quando? Se a “mídia” não denuncia a pressão, é hora de a oposição fazê-lo. Não em defesa da “mídia”, mas da democracia.

O que responde é o que pensa.

julho 5, 2010 às 4:28 am | Publicado em Dilma, Eleições 2010 | Deixe um comentário

http://www.youtube.com/watch?v=mRBb1ymUkoE&NR=1

Dilma e Copa 2010

julho 5, 2010 às 4:18 am | Publicado em Copa 2010, Dilma, Eleições 2010 | Deixe um comentário

Atenção à fala da DILMONSTRA transcrita ao final do vídeo. E isso crescendo nas pesquisas…ACORDA BRASIL!!! A COPA ACABOU E AINDA HÁ TEMPO!!!

DILMA NÃOOO.

Próxima Página »

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.
Entries e comentários feeds.